O cuzão de mim mesmo!

13jan08

Depois de conversar com um amigo meu e escutar que ele levou um fora de uma garota que estava ficando porque era “bonzinho demais”, pensei comigo mesmo que eu não estava sozinho neste mundo. É por isso que acho bom logo avisar ao público feminino pra tirar o cavalinho da senhora chuva pois eu, Eduardo, não sou o tipo de cara que vocês estão acostumadas em desejar. Isso mesmo! Eu não sou cafajeste! Não sou cuzão com mulheres! Não consigo ser cuzão com mulheres!
Mas vou deixar algo bem claro, eu posso machucar de vez em quando. Começamos com a minha primeira “namorada”. Eu a machuquei emocionalmente terminando com ela, já a minha segunda “namorada”, machuquei-a fisicamente algumas vezes (foi um desejo compartilhado pelos dois). Então, para a minha terceira “namorada” posso fazer uma combinação desses dois jeitos de se machucar uma pessoa para assim formar um bom relacionamento. O que acham? Muito esquisito? Pode até ser, mas posso garantir que esse relacionamento comigo será melhor do que com aquele ex-presidiário que vocês tanto pensam e acham difícil de encontrar, em suas noites solitárias na caminha de lençol rosa.

Obviamente minhas “ex-namoradas” me vêem agora como uma mosca no prato de nhoque delas, como um pombo atropelado na frente de suas garagens, mas tudo bem! Não se consegue agradar mongóis e chineses presenteando-os com um livro de culinária judaica. É por isso que irei me concentrar nas garotas que vem por aí, alertando à todas logo de início: “Tá, aqui tá a gente num relacionamento. Não irei te traír. Se quisesse fazer isso não teria me apaixonado por você. Mas isso não é um casamento, não quero me casar (antes eu queria, agora não mais)”. Não, não me olhem assim garotas, de hoje em diante só irei me casar se eu for vestido de Capitão Kirk e você de elfa, ou como aluna de Hogwart. E o padre precisa ser o Elvis. Melhor dizendo, vestido de Elvis Presley! Esses são os meus termos. Agora fique só de calcinha e vá me buscar uma cerveja!.

Não é nada muito complicado, é?

Mas agora que estou contando muitos detalhes de como sou um homem bom, de como é o meu jeito, algo que sempre fiz de melhor no antigo endereço da minha vida, duvido muito que elas, ou até você mesma, uma ciririqueira da vida, continue a ciriricar pensando em minha pessoa. Peço aqui então o perdão para todas vocês que imaginavam eu, Eduardo, um cuzão, aquele cara que pisa em cima e cospe depois!

Ahm… vou tirar a parte do cuspe. Salivar mulher me agrada, lamber a pele de uma mulher depois que ela passou um daqueles cremes com um determinado aroma de frutas é mesmo muito apetitoso. A dor de barriga é por uma boa causa. E isso estou achando difícil de encontrar…

Anúncios


No Responses Yet to “O cuzão de mim mesmo!”

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: