Me, myself and Billie Holiday.

08abr08

Demonstro com convicção, minha admiração por todos os artistas que fazem a história do Jazz, em especial pelas cantoras, as divas, as Billies Holidays e Ellas Fitzgeralds da vida. Divas estas, que tinham muito mais em comum do que o talento. Foram violentadas, eram negras, pobres e marginalizadas. Billie foi faxineira de prostíbulo aos doze, prostituta aos catorze e apenas em 1930 começou a cantar profissionalmente em um bar. Após um tempo, atraiu a atenção de um crítico musical e passou a gravar clássicos ao lado de ícones como Louis Armstrong e Duke Ellington. Meu afeto pelo Jazz não poderia surgir sem Billie Holiday. Sem sombra de dúvida, é a mais brilhante das cantoras, não apenas do Jazz, como de toda a música!

Linda, forte, comovente, arrebatadora, singular, memorável… de um charme que só as verdadeiras divas têm. E como toda diva, Billie Holiday é simplesmente eterna! Uma eterna diva…



No Responses Yet to “Me, myself and Billie Holiday.”

  1. Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: